Leitura, literacia, literatura e escrita na era digital: novas abordagens didáticas

Descrição do curso

Este curso foi desenvolvido no âmbito da investigação realizada no seio do Programa de Doutoramento em Materialidades da Literatura, da Universidade de Coimbra, visando uma transposição e aplicação didáticas da pesquisa em torno da relação entre a significação literária e as materialidades da linguagem, som, voz, performance, códice, imagem e escrita digital. Assim, serão abordados, entre outros, os seguintes tópicos: i) multimodalidade em meio impresso (BD e zines) e digital; ii) literatura infantil e juvenil digital: leitura, receção e criação; iii) comunidades online e produção escrita, dos booktubers ao Wattpad; iv) Humanidades Digitais, literatura e ensino: Fragmentos em prática e o Arquivo Digital do Livro do Desassossego; v) som, imagem, voz e performance: o teatro de Gil Vicente.

Módulos

1. “Leitura, literacia, literatura e escrita na era digital: das orientações curriculares às práticas letivas” Ana Albuquerque e Aguilar
2. “Literatura infantil e juvenil digital: leitura, receção e criação” Ana Albuquerque e Aguilar
3. “Criar, colaborar, ensinar: construção de modelos de ensino pelo projeto Fragmentos em Prática e o Arquivo Digital do Livro do Desassossego Cecília Magalhães 
4. “BD, leituras e literaturas” Carolina Martins
5. “Comunidades online e conteúdo gerado pelo utilizador: novos modelos de leitura e de produção de escrita” Joana Bárbara Fonseca
6. “Ver (e ouvir) para melhor ler Gil Vicente: abordar os vídeos de espetáculos vicentinos como enriquecimento curricular” – Nuno Meireles

Objetivos

O presente curso foi criado com o objetivo de enriquecer e de complementar a formação docente através da abordagem de tópicos e metodologias pedagógicas que, embora referenciados em documentos orientadores nacionais e internacionais, tais como Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória (2017), Aprendizagens Essenciais (2018) ou Global Framework of Reference on Digital Literacy Skills (2018), são ainda pouco explorados em contexto de formação de professores. Pretende-se, assim, dotar futuros docentes e os que se encontram no exercício da profissão de novas competências, conhecimentos e ferramentas que lhes permitam não apenas cumprir as orientações curriculares, mas também ir ao encontro das necessidades dos alunos e dos desafios da escola do século XXI. No final do curso, os formandos deverão ser capazes de utilizar as plataformas e os programas abordados, bem como as obras e as metodologias trabalhadas, integrando-os criticamente nas suas práticas letivas.

Metodologias de ensino e avaliação

O curso seguirá uma metodologia teórico-prática, em regime de avaliação contínua. Cada módulo será composto por um momento teórico e por uma componente prática, de modelo oficinal. A classificação final resultará da média entre o trabalho prático nas oficinas (60%) e a planificação de uma unidade didática ou curricular (40%). 

Material

Recomenda-se que os formandos tragam o seu próprio computador.
Sempre que necessária, a bibliografia teórica será enviada aos formandos.

MÓDULO 1
Leitura, literacia, literatura e escrita na era digital: das orientações curriculares às práticas letivas

Formadora: Ana Albuquerque e Aguilar 

Descrição
Tratando-se do módulo inicial do curso, far-se-á uma breve introdução às áreas de estudo e de investigação no âmbito das Materialidades da Literatura, explorando-se alguns conceitos fundamentais. Do mesmo modo, pretende-se enquadrar didática e pedagogicamente a metalinguagem, os objetos, as metodologias e as ferramentas abordados ao longo do curso de formação, através da discussão da bibliografia e dos documentos de referência curricular para os ensinos básico e secundário.

Num segundo momento, serão apresentados, analisados e discutidos exemplos concretos de objetos e práticas, aportados pela era digital, que desafiam o ensino tradicional da leitura, da literacia, da literatura e da escrita, buscando pistas para uma apropriação didática dos mesmos.

Material necessário 
Computador (com Flash Player instalado) e fones.

Bibliografia
ALBUQUERQUE E AGUILAR, Ana (2017). «Leitura e escrita em sala de aula: do papel ao digital», in Atas do 12.º ENAPP: Língua e Literatura na Escola do Século XXI, Lisboa: Associação de Professores de Português.
CASSANY, Daniel (2019). Laboratorio Lector: para entender la lectura. Barcelona: Anagrama.
MANGEN, Anne e Van der Weel, Adriaan (2016). “The evolution of reading in the age of digitization: an integrative framework for reading research”. In Literacy, 50, 3: 116-124. (http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/lit.12086/full

Documentos 
Ministério da Educação (2017). Perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória, Lisboa: ME. (http://dge.mec.pt/sites/default/files/Curriculo/Projeto_Autonomia_e_Flexibilidade/perfil_dos_alunos.pdf)
Ministério da Educação (2018). Aprendizagens Essenciais. Português (Ensino Básico: 1.º- 9.º), Lisboa: ME. (https://www.dge.mec.pt/aprendizagens-essenciais-ensino-basico)
Ministério da Educação (2018). Aprendizagens Essenciais. Português (Ensino Secundário: 10.º-12.º), Lisboa: ME. (https://www.dge.mec.pt/aprendizagens-essenciais-ensino-secundario
UNESCO (2018). Global Framework of Reference on Digital Literacy Skills. Montreal: UIS. (http://uis.unesco.org/sites/default/files/documents/ip51-global-framework-reference-digital-literacy-skills-2018-en.pdf)

MÓDULO 2
Literatura infantil e juvenil digital: leitura, receção e criação 
Formadora: Ana Albuquerque e Aguilar

Descrição
Após uma abordagem inicial à literatura eletrónica, pretende-se dar a conhecer o subgénero da literatura infantil e juvenil digital, explorando algumas das suas características, tais como a multimodalidade, a interatividade e a não linearidade (Manresa & Real, 2015; Ramada Prieto, 2017), refletindo acerca das suas implicações educativas e formativas.

Posteriormente, dar-se-á lugar à componente prática, na qual os formandos terão oportunidade de ler e explorar obras literárias digitais (narrativas e poéticas), refletindo sobre o papel do leitor na construção do percurso de leitura e de interação com a obra, bem como sobre o papel da multimodalidade na construção do sentido. Por fim, os formandos experimentarão a (co-)criação de novos objetos literários digitais.

Material necessário
Computador (com Flash Player instalado) e fones.

Bibliografia 
MANRESA, Mireia e Neus Real, eds. (2015). Digital Literature for Children – Texts, readers and educational practices. Berna: Peter Lang.
RAMADA PRIETO, Lucas (2017). Esto No Va de Libros. Literatura Infantil y Juvenil Digital y Educación Literaria. Tese de Doutoramento: Universidade Autónoma de Barcelona.
TORRES, Rui; Machado, Ana Maria; Albuquerque e Aguilar, Ana; Andrade, Júlia; Estefani, Thales; Pereira, Luís Lucas (2019). “Literatura eletrónica para crianças: o caso do projeto “Murais e Literatura: A Criação Digital em Contexto Educativo”. Leitura: Teoria & Prática, Campinas, São Paulo, v.37, n.75, p.39-66. (https://ltp.emnuvens.com.br/ltp/article/view/747

MÓDULO 3
Criar, colaborar, ensinar: construção de modelos de ensino pelo projeto Fragmentos em Prática e o Arquivo Digital do Livro do Desassossego
 
Formadora: Cecília Magalhães

Descrição
O módulo “Criar, colaborar, ensinar” tem como foco principal criar um diálogo prolífico sobre as particularidades das práticas atuais de ensino em sala de aula, especificamente relacionadas às dinâmicas de repasse, discussão e apreensão crítica de conteúdos no contexto Web 2.0. Nesse sentido, o módulo incentiva a discussão sobre tais práticas consoante à própria experiência dos participantes, tratando a Literatura (assim como os seus meios de materialização e de manejo) como motores de incentivo para a produção de uma consciência criativa comum, seja na estruturação prática das dinâmicas em sala e na formulação de uma certa intenção de aprendizado, seja na própria formação do professor enquanto indivíduo criativo. 

Nesses termos, para refletirmos sobre esse cenário, o módulo será dividido em três fases distintas: 1) na introdução das funcionalidades do Arquivo do Livro do Desassossego (https://ldod.uc.pt), plataforma digital que simula e potencializa práticas de leitura, de escrita e de editoração do Livro do Desassossego; 2) na apresentação das atividades do Fragmentos em Prática, projeto focado nos processos colaborativos e criativos desenvolvidos por meio do manejo do Arquivo, em suas diferentes circunstâncias de utilização; 3) no planejamento e discussão coletiva dos possíveis cenários de apropriação criativa da plataforma em termos educacionais, tendo em vista o contexto desafiador da sala de aula contemporânea em tempos de interação transmedial.

Pré-requisitos
Fazer previamente o registo no Arquivo LdoD. Para o registo efetivo seguir as indicações no vídeo 2 “Conhecendo o Arquivo”. Guarde seu nome de utilizador e senha para acesso em sala. [NOTA: A liberação do registo para acesso total à plataforma é feita por e-mail automático e demora em torno de um dia útil. Muitas vezes esses e-mails são considerados spam ao invés de entrar diretamente na caixa de entrada do correio eletrónico. Por favor verifiquem suas caixas de spam para confirmar o recebimento da sua liberação e validação enquanto editor do Arquivo LdoD. Qualquer dúvida por favor entrar em contato pelo email: fragmentos.em.pratica@gmail.com].
Fazer um primeiro reconhecimento da ambiência do Arquivo LdoD com auxílio dos vídeo-tutoriais

Material necessário
Computador.

Bibliografia
BAITELLO, Norval (2012). O Pensamento Sentado: Sobre glúteos, cadeiras e imagens. São Leopoldo: Editora Unisinos. 
PORTELA, Manuel (2013). ‘Nenhum problema tem solução’: um arquivo digital do Livro do DesassossegoMATLIT: Materialidades da Literatura. Vol. 1, Nº 1: 9-33. https://digitalis.uc.pt/handle/10316.2/29979

MÓDULO 4
BD, Leituras e Literaturas

Formadora: Carolina Martins

Descrição
Este módulo pretende promover práticas de utilização da Banda Desenhada (BD) como elemento enriquecedor da sala de aula para melhorar as competências de leitura, escrita e interpretação e motivar o estudo de várias disciplinas. Ao mesmo tempo, deverá ver-se reconhecido também o valor da BD enquanto meio literário multimodal, passível ele próprio de se constituir objeto de estudo e interpretação.

Primeiro, serão brevemente apresentadas as origens da BD e alguns géneros, bem como as suas características formais básicas. Em seguida, será focada a relação de determinados títulos com as temáticas que abordam e como podem não só complementar os conteúdos de diversas disciplinas, mas também estimular o diálogo crítico. Por fim, serão dados exemplos das possibilidades didáticas da BD e será dirigida a criação de uma pequena zine, reforçando a importância da multimodalidade também nos processos interpretativos.

Pré-requisitos
Conhecimentos de Inglês serão uma mais-valia.

Material (recomendado, mas não obrigatório)
Computador, tablet e/ou smartphone
NOTA: Não é preciso saber desenhar! 

Bibliografia
STEIN, Daniel; THON, Jan-Noel, eds. (2013). From Comic Strips to Graphic Novels: Contributions to the Theory and History of Graphic Narrative. Berlin/Boston: De Gruyter.
SOUSANIS, Nick (2015). Unflatenning. Cambridge/London: Harvard University Press.

MÓDULO 5
Comunidades online e conteúdo gerado pelo utilizador: novos modelos de leitura e de produção escrita

Formadora: Joana Bárbara Fonseca

Descrição
1. Momento de cariz teórico: apresentação de conceitos de base das áreas de Fan Studies e de Fanfiction Studies, mais especificamente, enquanto ramo e sub-ramo emergentes do campo dos Estudos Culturais. Apresentação da Fanfiction como género literário; estabelecimento e distinção de subgéneros, tipos de classificação, termos essenciais que formam o núcleo de um léxico próprio. Partindo do conceito de ‘fandom’, exploração dos conceitos e possibilidades criativas/ transformadoras/ reconfiguradoras das comunidades de fãs, suas origens, e as diversas formas de expressão. Outras formas de Fanfiction: fanart, fanvids, podcasts, cosplay. Outras formas de expressão da cultura online de conteúdo gerado pelo utilizador: memes e gifs.

2. Lançamento das bases para o debate acerca das dinâmicas de produção de conteúdo por parte do utilizador-consumidor, dos limites de autoria e das leis de copyright através da análise de casos concretos de ‘fanfics’ sobre grandes produções da cultura popular.

3. Momento de cariz prático: exploração de repositórios, plataformas e ferramentas de leitura/escrita/partilha de textos (com foco no Wattpad, plataforma e app). Discussão das possibilidades de criação e capacidade de alcance deste tipo de ferramentas na construção de um lugar para ‘fanfic’ em contexto didático.

Pré-requisitos
Conhecimentos de Inglês serão uma mais-valia.

Material essencial
Computador ou tablet.

Bibliografia
ALENCAR, Daniele Alves; ARRUDA, Maria Izabel Moreira (2017). “Fanfiction: uma escrita criativa na web”, Perspect. ciênc. inf. vol.22 no.2, Belo Horizonte, Apr./June 2017. http://dx.doi.org/10.1590/1981-5344/2760
GRAY, Jonathan; SANDVOSS, Cornel and HARRINGTON, C. Lee, eds. (2017) Fandom Identities and Communities in a Mediated World. New York/London: New York University Press.
HELLEKSON, Karen and BUSSE, Kristina, eds. (2014) The Fan Fiction Studies Reader. Iowa City: University of Iowa Press.

MÓDULO 6
Ver (e ouvir) para melhor ler Gil Vicente: abordar os vídeos de espetáculos vicentinos como enriquecimento curricular 

Formador: Nuno Meireles

Descrição
Esta formação propõe estimular outro meio e dimensões de leitura do teatro de Gil Vicente, com três exemplos de representações contemporâneas em filme e vídeo. Estimula-se o diálogo sobre o que se lê no texto e o que se vê e ouve na cena, agora enquadrado em filme. Realçamos a emergência de novos significados a partir do que vemos e ouvimos. Procura ampliar-se não só o conhecimento de Gil Vicente mas também dotar de recursos educativos que promovam um relacionamento estimulante para com este teatro.

Pré-requisitos 
Leitura da edição eletrónica dos três textos:
Farsa de Inês Pereira
(http://www.cet-e-quinhentos.com/autores/free/251/Inês/False/False)
Auto (ou Farsa) da Índia
(http://www.cet-e-quinhentos.com/autores/free/236/India/False/False)
Barca do Inferno
(http://www.cet-e-quinhentos.com/autores/free/214/embarção/False/False)

Material a abordar 
Vídeos (das seguintes ligações web)
Farsa de Inês Pereira https://vimeo.com/98553142
Auto da Índia https://vimeo.com/99839760
Barca do Inferno (a disponibilizar na formação)

Bibliografia
Bernardes, José & Camões, José (2018). Introdução a Gil Vicente: compêndio, Imprensa Nacional/Imprensa da Universidade de Coimbra, 9-11. https://digitalis.uc.pt/pt-pt/livro/gil_vicente_compêndio
Bernardes, José (2018). “A sátira no teatro de Gil Vicente” in Gil Vicente: compêndio, Imprensa Nacional/Imprensa da Universidade de Coimbra, 277-298.
https://digitalis.uc.pt/pt-pt/livro/sátira_no_teatro_de_gil_vicente
Correia, Amélia (2018). “Gil Vicente no cânone escolar. O(s) texto(s) e a(s) leitura(s)” in Gil Vicente: compêndio, Imprensa Nacional/Imprensa da Universidade de Coimbra, 517-544.
Correia, Amélia (2018). “Gil Vicente no cânone escolar. O(s) texto(s) e a(s) leitura(s)” in Gil Vicente: compêndio; Imprensa Nacional/Imprensa da Universidade de Coimbra, 517-544.

Formadoras/es

Ana Maria Machado é licenciada em Línguas e Literaturas Modernas (Português-Francês), com Mestrado e Doutoramento em Literatura Portuguesa (Universidade de Coimbra). É professora auxiliar da Universidade de Coimbra e tem experiência na área de Literatura Portuguesa, com pesquisa em literatura medieval, em ensino da literatura e em literatura digital.

Ana Albuquerque e Aguilar é licenciada em Línguas e Literaturas Clássicas, possui o Ramo de Formação Educacional na mesma área e fez Mestrado em Estudos Clássicos, ramo Literatura Comparada. Todos os graus foram obtidos na Universidade de Lisboa, com passagem pela Universidade Paris IV – La Sorbonne. Professora, autora de manuais escolares de Português e formadora de professores acreditada pelo CCPFC, é, atualmente, doutoranda na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, com a tese Educação literária na era digital: o contributo da literatura eletrónica,no Programa de Doutoramento em Materialidades da Literatura, sendo investigadora do Centro de Literatura Portuguesa e bolseira da FCT. No âmbito do seu projeto doutoral, foi também investigadora convidada na Universidade Autónoma de Barcelona.

Cecília Magalhães é doutoranda no programa Materialidades da Literatura na Universidade de Coimbra (MatLit/FLUC-UC), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP/COS) e designer (Belas Artes/SP). Tem experiência acadêmica e profissional voltadas para o ensino, para a investigação e para o desenvolvimento de projetos elaborados por meio do manejo criativo de diferentes linguagens em contexto intermedia. Atualmente desenvolve o projeto Fragmentos em Prática, com enfoque nas práticas de leitura e de produção criativa no Arquivo LdoD, plataforma dinâmica organizada em torno da escrita e da edição do Livro do Desassossego, de Fernando Pessoa. É formadora de professores acreditada pelo CCPFC.

Carolina Martins é licenciada em Estudos Artísticos e pós-graduada em Estudos Literários e Culturais pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, onde é atualmente doutoranda em Materialidades da Literatura, com a tese Leitura Aumentada: combinações espaciais em instalações de narrativas gráficas. No âmbito desta tese, desenvolveu o projeto VAST/O, uma instalação interdisciplinar e acessível a pessoas surdas, cegas e amblíopes, apresentada até agora em Bournemouth, Lisboa e Londres e com datas previstas em 2020 para o Festival Fumetto (Lucerna, Suíça) e Galeria Municipal do Banco de Portugal (Leiria). Criou ainda a Oficina Diafragma, uma oficina de comunicação e narrativa visual para todas as faixas etárias.

Joana Bárbara Fonseca nasceu em Coimbra, no tempestuoso Verão de 1984, já curiosa. É licenciada em Estudos Portugueses e Lusófonos, pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra; Mestre em Estudos Clássicos, no ramo de Mundo Antigo, pela mesma instituição. É também da Universidade de Coimbra a sua pós-graduação em Poética e Hermenêutica, ainda na área dos Estudos Clássicos. Atualmente é bolseira do Doutoramento em Materialidades da Literatura, contexto que lhe tem permitido aprofundar temas como literacia digital, comunidades digitais e conteúdo gerado pelo utilizador (onde cabem as fandoms e a sua produção literária, a fanfiction) e estética da vigilância e contravigilância na contemporânea expressão da tecnodistopia digital. É formadora de professores acreditada pelo CCPFC. 

Nuno Meireles, nascido em 1975, licenciou-se em Estudos Teatrais pela Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo (IPP). Concluiu a parte curricular tanto do mestrado em Performance Artística – Dança (FMH-UTL), como do Doutoramento em Estudos da Criança (UM). Tem sido docente no ensino superior artístico, sobretudo ESMAE-IPP, ESAP, ILCH-UM, ESE-IPB e IE-UM. Do seu percurso teatral destaca-se a passagem pel’ A Escola da Noite, como ator em textos de Gil Vicente, assim como a sua atividade de encenador e dramaturgista no Ensemble Vicente, Teatro do Filósofo com o Parvo atado ao Pé e ainda a solo, sempre com textos do poeta quinhentista. É sob a figura de Gil Vicente que ingressou no Doutoramento FCT em Materialidades da Literatura. A sua investigação sobre a voz, a intermedialidade e os registos videográficos vicentinos é documentada em https://intermediavicente.wordpress.com/.

Datas
A anunciar

Coordenadora
Ana Maria Machado

Organização
Ana Albuquerque e Aguilar e MATLIT LAB

Curso de formação
21h

Duração
6 semanas

Curso de formação de professores acreditado pelo CCPFC - Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua (registo CCPFC/ACC-106562)
Grupos 200, 210, 220 e 300

Curso não conferente de grau FLUC
1 ECTS

Número de vagas
20

Local
Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC), Sala 6

Categorias: Cursos
Tags: formação de professores leitura literacia crítica digital